Precisamos falar sobre o finado Fofão!

fofao-e1371567858755

Se foi criança entre os anos 80 e começo dos anos 90, foi da fase dos bonecos no mínimo peculiares que já existiram, dentre eles, o Fofão. Não se sabe ao certo se veio antes ou depois do Chuck (Brinquedo Assassino), mas a coincidência entre eles era gigantesca, o cabelo de ambos era ruivo e usavam a jardineira, camisa colorida e tênis descolado.

Quando era criança, fui assombrada pelo medo de ir dormir por conta do Chuck e era impossível ver Fofão e não lembrar do Brinquedo Assassino. Eu imaginava que fosse um primo ou até o pai do Chuck e aquele lance de querer ser o amigo, o legal, me lembrava o Chuck ainda como o boneco Bonzinho.

Não sei se foi exatamente por isso, mas odiava bonecas, sempre me identifiquei com ursos de pelúcia e não, nunca me questionei porque o urso era como era e eu era humana ou porque eu não fazia parte dos Ursinhos Carinhosos, eu simplesmente brincava e os ursos de pelúcia eram meus filhos e as bonecas que eu ganhava eram os brinquedos do limbo (risos). Eram largadas em caixas, e como eu não gostava dos olhos delas olhando para mim, eu sempre virava todas de costas para que não vigiassem as minhas brincadeiras.

Se eu gostava da Barbie? Não… Achava muito sem graça e leve, gostava de brinquedos maiores, que eu pudesse sentir que estavam presentes e a Barbie era muito chata e com aquele sorrisinho que eu não entendia, olhava para ela com minha infantilidade e não gostava daquele sorriso falso, afinal, antes de brincar ela já estava sorrindo? (risos)

Aí vejo a galera discutindo sobre as novas Barbies, eu acho legal que criem outros modelos, outras versões, mas não consigo entrar na “seriedade” em torno do assunto, o lance da identificação das crianças com brinquedos, não sei… Porque quando eu era criança não me questionava se os brinquedos se pareciam comigo ou não… E não me questionava sobre os amigos imaginários que tinha, se eram em forma de urso ou de pessoas, enfim… Também não posso apenas pensar por mim, e não sei se eu era uma criança “louca”, não sei se era uma exceção.

Símbolo do capitalismo, estereótipos, ideal de beleza… Não, eu vejo como um brinquedo, uma fantasia que cada criança pode viver como quiser. Talvez se meus pais me perguntassem algo como “Esse brinquedo se parece com você?”… Quem sabe assim eu pudesse pensar, mas nunca me ocorreu nada do tipo.

Nossa! Você não é engajada em discussões da atualidade! Eu apenas não quero tornar a vida mais pesarosa do que é!

Agora, o lance do Fofão, um boneco com traços estranhos, com uma cara com olhinhos estranhos, com aquele quê de pré – Chuck, esse sim, merecia uma pesquisa, merecia um estudo, uma análise, porque muita gente hoje guarda lembranças dele e não são as melhores. O boneco era comprado para ficar guardado no armário, em cima da estante e nunca podia estar no quarto da criança. Eu nunca podia ver Fofão quando ia dormir na casa de alguém, pedia para prenderem (risos). Prendam o Fofão!

Quem foi Fofão? Sobre o cara que criou já li algo, mas… Que boneco mais desnecessário foi aquele? E aquela voz? E aquela vontade de interagir a qualquer custo? Medo! E aquele F na blusa de foda-se a sua infância?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: