Ser mulher: muito além da beleza

mulher

O que é uma mulher bonita? Você pode me dar um referencial inquestionável de mulher que considere bonita como a linda Gisele Bündchen ou pode me dizer que a beleza está nos cabelos ruivos esvoaçantes e nos lábios estonteantes da Julia Roberts. Você pode me dizer que uma mulher bonita é uma mulher magérrima ou que uma mulher bonita é do tipo “gostosa” ou pode me dizer que mulher bonita é a mulher com alguns quilos a mais.

Mas a mulher, ela não depende de um corpo e você pode me dizer “Como não?”. Porque ser mulher vai além da forma do corpo,  da cor da pele, vai além da cor dos olhos, vai além das preocupações tolas com celulites, estrias, manchas na pele ou com tantas outras “imperfeições”. Ser mulher é ser imperfeita, é agir como desvairada às vezes, é chorar como menina, é ser serena, é ser tempestade, é ser aberta, é ser terreno incerto.

A mulher! Que pode parir… se ela quiser. Que não precisa de um rótulo para ser mulher. A mulher que quer conhecer, que quer desvendar, que quer encontrar e muito mais, que quer ser encontrada por si mesma.

Ela pode ser libriana, aquariana, taurina com ascendente em gêmeos como a autora, pode ser geminiana, de escorpião, de câncer, de áries… Pode até ser de Marte! Mas o que rege uma mulher é aquele quê de esperança, é aquele olhar perdido que vaga em uma imaginação encantada de esperança.

Para Vinicius de Moraes, para fazer um samba com beleza é preciso um bocado de tristeza…. Se não é como amar uma mulher só linda… E daí? Uma mulher tem que ter qualquer coisa além da beleza, qualquer coisa de triste, qualquer coisa que chora. Qualquer coisa que sente saudade. Um molejo de amor machucado, uma beleza que vem da tristeza de se saber mulher!

A mulher mais linda é aquela que sabe o que é, é aquela que mantém a sua dignidade, as suas convicções, o seu caráter. É aquela que chora escondido por ter percebido que não, não pode se render ao vazio, não pode se render ao pouco, ao vago…

O que te incomoda no corpo? O que te incomoda neste corpo que tem como modelo um corpo imposto por padrões ditados pela sociedade? A autora tem nariz torto, estrias, pele com manchas, mas muito, muito mais esperança, muitos sonhos, muito humor, muita e muita sede de rock and roll e muita doçura em acidez de defesa.

Sabe mulher, pouco importa se é magra, se é gorda, se está em um corpo de homem, se tem as suas imperfeições tão lindas… Você é alma… Você é mais do que a sociedade diz sobre você. Você está além das definições teóricas. Ser mulher é uma essência, é uma sina, é um dom, é uma escolha de certa forma. Você escolhe como quer ser mulher, você escolhe como quer ser vista, como quer ser lembrada. Você escolhe se quer continuar quebrada, você escolhe se quer dar a vida, se quer se dar… Você pode escolher. Você pode escolher. Você tem o seu poder. O seu próprio poder.

Você tem o dom de ser ardilosa, de ser doce, de ser além…

Além da beleza, além do corpo, além do olho do outro, ser mulher é sempre além de um limite, é sempre além…

Mulher é uma essência de doçura, de compaixão, de paixão. A vida é pra  valer, como diz Vinicius… e você, você é mulher, além, muito além do que dizem que uma mulher é, além do que eu digo sobre o que é ser mulher, porque ser mulher é o silêncio de ser!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: