MINUCIOSOS DETALHES

carl e ellie

Nos últimos anos tenho feito grande esforço para me sentir motivada e o que me motiva são os pequenos e quase imperceptíveis detalhes. Do que me dizem, das milhões de palavras, escolho apenas algumas, ou… não escuto nenhuma.

A literatura me faz bem, me sequestra em alguns momentos, me anestesia, me encanta… Os desenhos animados em sua maioria me levam a algum lugar distante por alguns instantes. Os animais me alegram, me despertam a protegê-los, a sentir a minha humanidade.

Certa vez ouvi: “Existem várias formas de morrer, mas a mais letal é a vida”. Não me lembro perfeitamente das palavras utilizadas na pronúncia, por isso a probabilidade de estar sendo infiel na transcrição é gigantesca. Mas sim, viver é exaustivo, e não é na maioria dos dias doce ou alegre, graciosamente é intercalada por momentos longos de tristeza… sim, graciosamente, a tristeza é o que torna a vida agradável, o que leva a pensar, o que leva às considerações que jamais poderiam ser realizadas se o coração estivesse alegre.

A cada dia procuro me abstrair do mundo maluco no qual vivo, me deixando envolver pelos pequenos, minúsculos detalhes que me rodeiam. Certo dia, no caminho do trabalho, ao entrar no trem (estressada), um homem atrás de mim com seu filho e num tom de voz instintivo disse: “Vamos minha filha!” — Ah!, em minha mente tantos pensamentos e palavras torpes foram proferidas… (risos)

Mas enquanto o trem se locomovia e quando o barulho das vozes se dissipava pelo estresse de todos e pelo cansaço também, pude ouvir um diálogo entre aquele homem e seu filho de aproximadamente sete anos de idade. O garoto estava indo para a casa do pai, talvez os pais fossem separados… Aquele homem aconselhava seu filho, pedia para que o menino se esforçasse e dizia que se ele fosse morar com ele não teria uma vida de videogames e diversão, teria que estudar, se esforçar. O garoto ouvia quieto com aparência doce para o pai.

O homem tinha aparência simples, o que me chamou a atenção foi a doçura, os olhos lacrimejantes e vivos enquanto falava com o filho. Ele dizia ao filho para que estudasse, porque ele teve a oportunidade, mas pelas condições difíceis de vida não pôde prosseguir. O que mais me tocou foi a lembrança dele do ano e série em que parou de frequentar a escola, os quais mencionou algumas vezes, não me recordo dos números, mas percebi que aquele homem tinha se abdicado de algo que gostava e desejava muito que era estudar, e não queria, de forma alguma, que ocorresse o mesmo ao seu filho. Senti olhando aqueles olhos lacrimejantes, que ele jamais permitiria que o filho abandonasse os estudos. Aquele era o detalhe que o motivava, que o entristecia e que mantinha sua ferida aberta. Aquele homem não tinha uma cicatriz, era uma ferida exposta. Me senti péssima no decorrer da narrativa daquele homem, por tê-lo amaldiçoado em pensamento enquanto pensava apenas no meu detalhe (estresse) diário em um transporte público.

Detalhes, os pequenos, os mais escondidos, capazes de abrir feridas ao mesmo tempo em que dão sentido à vida. É o que me desperta, me liberta, me torna mais próxima do que sou, mais próxima da humanidade. São os minuciosos detalhes que tornam a existência grandiosa.

Escrito para o blog Comigo em Plutão

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: