Sem máscaras! Com riso, pavor ou lágrimas… Mostre-se!

cores reais

Comporte-se — diz o mundo. A princípio nos comportamos apenas para não levar broncas estridentes, mas depois, parece que ficamos condicionados a esse ‘ser comportado’. E ao se comportar, não evitamos apenas as broncas, evitamos a nossa imagem em frente ao espelho.

Nessa de se comportar ou de se camuflar, o que perdemos? Perdemos a nós mesmos. Não acho que omissão seja diferente de mentir, vejo a omissão como uma máscara.

Quando tento me esconder, na verdade sou eu quem não me encontro, nesses labirintos infinitos.

Quando você se esconde, não permite apenas que não lhe enxerguem, mas não se permite evoluir conhecendo o mundo de alguém.

Cores reais são lindas como um arco-íris… Sim, a sobreposição de tons, dos muitos tons. Os tons acinzentados e negros são como uma bela moldura para o tanto de cores que insistem em existir, mesmo quando são sufocadas por tanto tempo. Ou seriam as muitas cores, a moldura para os tons acinzentados e negros?

A gente só vê mesmo as tantas cores e tantas singularidades em ser nós mesmos quando enfrentamos o vale da sombra da morte, um momento que tenta de todas as formas matar não o nosso corpo, mas a nossa alma, aquilo que nos torna quem somos.

É em meio às derrotas, àquilo que não deu certo como gostaria que fosse, que precisa sorrir, por se ver por algum momento como é.

Às vezes eu tenho a sensação de que estou em uma humanidade disposta em prateleiras e que apresenta produtos fabricados em série. Mas a certeza que me move é a de que há alguns “produtos” diferentes, vivos, coloridos e que mesmo tratados como defeituosos, continuam encantando em dias sombrios.

Não tenha medo de mostrar quem é, não tenha medo de mostrar suas muitas cores. Sim, elas assustarão muitas pessoas, mas aquelas que ainda assim se encorajam a conhecê-las, merecem que se livre de todo o medo. Haverá alguém que achará mágico o tanto de cores que habitam no seu mundo e você também verá no mundo de alguém que essa efervescência é magnífica e transformadora.

Mas eu vejo suas cores reais/ Brilhando por dentro… Não tenho medo de deixar minhas próprias cores aparecerem, porque também posso ver o quanto elas são maravilhosas em pessoas únicas por aí.

“But I see your true colors

Shining through

I see your true colors

And that’s why I love you

So don’t be afraid to let them show

Your true colors”

(True Colors – Cyndi Lauper)

e-Book Na atemporalidade das palavras – O brio, o vento e o talvez:

Google Play: http://bit.ly/2auBuFl

Kobo: http://bit.ly/2beeesb

Amazon: http://amzn.to/2b37h11

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: